20ª Festa Literária Internacional de Paraty — de 23 a 27 de novembro de 2022

Flipei

Este ano, a Flipei volta a ser presencial, e estaremos mais uma vez em Paraty promovendo nossos encontros críticos para a produção de um mundo outro. Compreendendo a importância da conjuntura atual, reuniremos editoras independentes para a troca e a difusão de conhecimentos pautados no momento presente. Da emergência climática às formas de resistência dos povos originários, da literatura de Maria Firmina dos Reis ao projeto fascista do Brasil atual, debateremos questões centrais para a transformação da sociedade brasileira, junto a parceiros de Paraty, em uma programação exclusiva. Atracamos à margem esquerda do Perequê-açu com nossos meios de transporte piratas para hackear os sistemas e transgredir as ordens.

 

Programação

23/11 – Quarta-feira
16h – Happy Hour Pirata
18h – Slam da Retomada
20h – Balanço e fúria: discotecagem comentada com DON L.
22h30 – DJ Lugar Elástico

24/11 – Quinta-feira
11h – Nau das visionárias: Stella do Patrocínio, Aurora Cursino dos Santos e Isabelle Eberhardt. Com Silvana Jeha, Bruna Beber e Paula Carvalho.
13h – A mente ninguém pode escravizar: Maria Firmina dos Reis pela crítica contemporânea. Com Dilercy Adler, Rafael Zin e Luciana Diogo. Mediação de Haroldo Ceravolo.
16h – Criado pelos Pobres, Roubado pelos Ricos. JOGO BRASIL X SÉRVIA
18h – Quem contará a história? Autoficção, biografia e a potência das narrativas. Com Tiago Velasco, Rafael Domingos Oliveira e Marlos Bittencourt. Mediação de Fabiana Gibim.
20h – Bailão das Piratas
22h30 – Estação Corsário: transmissão radiofônica, por Caco Pontes + Cartas Naufragadas, com Nadja Pulci.

25/11 – Sexta-feira
10h – Pé de Mudança. Com Anderson Maurício.
11h – Quem chocou o ovo da serpente? 100 podres anos de fascismo. Com Valério Arcary, Jonnefer Barbosa, Jones Manoel e David Broder. Mediação de Aline Klein.
13h – Resistência anticolonial e devir antirrascista. Com Lourdes Carril, Cidinha da Silva e Paíque Duques Santarém. Mediação de Renata Spinelli.
16h – Como resistir? Heterotopias, guerras climáticas e autodefesas. Com Alyne Costa, Wander Wilson, Claudio Medeiros e Lahayda. Mediação de Adriano Skoda.
18h – Cosmunismo brutal: insurreição da natureza e as naturezas da insurreição. Com Jean Tible, Carlos Papá, Cristine Takuá e Douglas Rodrigues Barros. Mediação de Og da Silva e Silva.
20h – Slam da Guilhermina
22h30 – Mundiá Carimbó
23h59 – Rave dos Autógrafos. Com Gi Degiselly Braga, Alexandre Mortagua e Pedro Athie.

26/11 – Sábado
10h – O Salto. Com Gustavo Saulle.
11h – Sobrevivendo no inferno: como a quebrada desnudou o Brasil e continua atual. Com Arthur Dantas Rocha, Allan da Rosa e Thiago Torres (Chavoso da USP). Mediação de Paíque Duques Santarém.
13h – Como desbolsonarizar o Brasil. Com Rodrigo Nunes, Renato Janine, Guilherme Cianfarani e Michel Gherman. Mediação de Patrícia Campos Mello.
16h – Feminismos negros radicais e as revoluções caribenhas [INTERNACIONAL]. Com Alissa Trotz e Juliana Borges. Tradução de Gustavo Racy. Mediação de Camila Dias.
18h – Anti-imperialismo no Sul Global: os desafios da nova onda progressista na América Latina. Com Juliano Medeiros, Juliane Furno, Jamil Chade e Ana Prestes. Mediação de Amanda Harumy.
20h – Sonhos de outra terra indígena. Com Davi Kopenawa, Hanna Limulja e Sidarta Ribeiro. Mediação de Jean Tible.
22h30 – Samba da Bênção.
23h59 – DJ Orkidea.

27/11 – Domingo
11h – Socialismo do nosso tempo. Com Victor Marques, Ediane Maria, Elias Jabbour. Mediação de Aline Klein.
13h – Erotismo e afetividade na literatura contemporânea. Com Mariana Felix, Monique Amora e Caco Pontes. Mediação Maiara Líbano.
16h – Utopias piratas: hackeamento, expropriação e luta de classes. Com Larissa Drigo, Leonardo Folleto e Rafael Limongelli. Mediação de Rafael Grohmann.