curadoria participativa

Na curadoria participativa, a seleção das obras e autores que farão parte da programação da Flipinha e da FlipZona envolve a participação de professores, líderes comunitários, mediadores de leitura e outros moradores de Paraty.

Em 2021, o Percurso Formativo Sementes, uma formação em mediação de leitura, foi lançado, trazendo a proposta de curadoria participativa para a programação da Flipinha e da FlipZona durante a Flip. Editoras, autoras, autores, ilustradoras e ilustradores foram convidados a enviar livros para compor o acervo e participar de encontros conduzidos pelo Educativo Flip, em formato híbrido, com a população de Paraty.

Para o movimento de análise e seleção das obras, os chamados cocuradores passam por um processo formativo que focaliza discussões acerca de diferentes concepções de leitura e leitores, a fim de que possam identificar a leitura como uma atividade sócio-histórico-cultural que, ao mesmo tempo, é constituinte e constituída na e pela experiência dos participantes. Nesse sentido, reconhecer as obras que respeitam os leitores como sujeitos ativos e críticos em sua formação literária e buscar a diversidade de vozes representadas na literatura são critérios curatoriais fundamentais para as escolhas que são realizadas a partir da escrita de resenhas que defendem ou refutam as obras analisadas.

Garantir espaço de escolha e participação comunitária ativa é um movimento que assegura o exercício de três perspectivas que consideramos relevantes na composição do evento: o engajamento da população, a validação das vozes representativas da população local e, especialmente, a garantia de uma programação que tem na diversidade sua característica mais importante.